quarta-feira, maio 25, 2011

CENTRAIS SINDICAIS PREPARAM MOBILIZAÇÃO NA CÂMARA PARA O DIA 25 DE MAIO

A reunião do Fórum das Centrais realizada em São Paulo, marcou a retomada de uma agenda comum das seis entidades (CTB, Força, CUT, UGT, Nova Central e CGTB), em nome da unidade da classe trabalhadora.
Como resultado dessa união, foi marcado um ato conjunto para o próximo dia 25 de maio, em Brasília, no qual os sindicalistas reafirmaram suas bandeiras de luta e prepararão um grande ato nacional, ainda para 2011.

quarta-feira, maio 18, 2011

Busca por corpos em pedreira continua após um mês

O desabamento que deixou duas pessoas soterradas na pedreira Santa Tereza, em Santos, na Baixada Santista, completa um mês amanhã e os corpos ainda não foram localizados. O acidente aconteceu na manhã de 12 de abril, quando um bloco desmoronou e cerca de 100 mil toneladas de rochas e terra desabaram na pedreira da empresa Max Brita, localizada próxima ao Monte Cabrão, área continental de Santos, à margem da rodovia Rio Santos.

domingo, maio 01, 2011

DIA DO TRABALHO

Sindicatos prestam homenagem ao trabalhador com show e confraternização

O sindicato dos trabalhadores da extrativa de Cajati e o sindicato Rural, não deixaram passar em branco a data, O presidente Amauri de Oliveira do Sindicato da extrativa, escolheu a sede de eventos, Recanto do Serjão para dar uma bela festa regada a churrasco e muito choop aos sindicalizados e amigos com seus familiares, já o que representa o rural, presidido por Adilson de oliveira, manteve a tradição com o evento atrás da rodoviária.



Fonte: Taipa News

Dia do Trabalho 1º de Maio


Homenagem ao Trabalhador

Novo relógio de ponto exigido pelo governo faz produção aumentar

Empresa fabrica 300 relógios eletrônicos de ponto por mês.
Cerca de 700 mil equipamentos devem se adequar à lei, estima governo.

 
A partir de setembro, uma portaria do ministério do trabalho obriga as empresas que usam relógio de ponto eletrônico a emitir comprovante em papel. Para obedecer à nova lei, cresceu a produção do equipamento.
Uma empresa que atua no ramo fabrica 300 relógios eletrônicos de ponto por mês. São dois modelos: registro com cartão e biometria, que é a leitura da impressão digital.
Para atender às exigências do Ministério do Trabalho, os empresários José Roberto Stagliori e o filho Renato Stagliori deixaram de lado a fabricação dos antigos relógios de ponto e desenvolveram um projeto totalmente novo.
“Primeiro que ele mudou de nome, né? Ele não é mais relógio de ponto, o governo chamou de registrador eletrônico de ponto que se chama no mercado de Rep. A principal alteração é a impressora”, diz o pai.
O modelo atual tem um software que armazena as informações enviadas à impressora. Tem capacidade de registrar até 60 milhões de marcações de pontos. O programa é antifraude, uma exigência do ministério do trabalho, que pretende acompanhar essas informações.
Os antigos relógios, batidos em cartões de papel, contudo, vão continuar existindo. Eles não se enquadram na nova portaria. O Rep só é obrigatório para os relógios de modelo eletrônico.

Novos relógiosPara fabricar os novos relógios eletrônicos, a empresa investiu R$ 500 mil no desenvolvimento do sistema e na compra de equipamentos. Para reduzir custos, o empresário terceiriza a fabricação dos componentes eletrônicos que são montados em uma placa.
Depois de pronta, a placa recebe uma resina que garante que a memória com os dados dos funcionários fique protegida. Em seguida, o gabinete é lacrado e vedado. É muito importante a qualidade do papel usado para a impressão.
“Ele tem que ter uma garantia que essa impressão permaneça por cinco anos. É um papel especial, um papel que a fabricante de papel nos dá essa garantia”, diz o empresário.
Segundo estimativa do ministério do trabalho, cerca de 700 mil relógios de ponto devem se adequar à nova lei, que entra em vigor no dia 1º de setembro deste ano.
A empresa já vendeu 2 mil relógios que emitem comprovantes. O preço é a partir de R$ 3 mil reais. Depois do anúncio da nova lei, as vendas do equipamento aumentaram 10 vezes e o faturamento da empresa cresceu 40%.
“A gente entende que é importante que as empresas tenham o Rep para mostrar para o governo a sua boa intenção, que está fazendo tudo direitinho com seus funcionários”, sugere o empresário.
Instalação
Em uma gráfica em São Paulo, o relógio eletrônico fabricado pela empresa foi instalado em dezembro de 2010. Foram gastos R$ 4 mil.
O procedimento para marcar o ponto é simples e rápido. Quando o funcionário chega à empresa, passa o cartão com o código de barras e o relógio eletrônico faz a leitura.
Os registros garantem o horário exato de entrada e saída dos funcionários. “Numa briga judicial, está tudo ali, né? Não ter problema nenhum”, diz Sérgio Cardozo, funcionário da gráfica.

Fonte G1